sexta-feira, 16 de julho de 2010

Projeto de fogão ecológico é alternativa mais econômica e diminui em até 95% a emissão de fumaça

Imagine um fogão que não usa gás, baterias, gasolina ou qualquer outra fonte energética, e mesmo assim seja capaz de aquecer um litro de água em 4 minutos e ainda gerar excedente de energia para carregar celulares, iPods e outros aparelhos eletrônicos, por meio de uma porta USB. Pois essa maravilha tecnológica já existe.
O projeto Fogão Ecológico Biolite é vantajoso em vários sentidos. Além de reduzir a queima de materiais em até 50% e diminuir em 95% a emissão de fumaça, seu custo é extremamente baixo. Outra vantagem do fogão ecológico é um sistema de ventiladores que proporciona uma melhoria no rendimento geral. Antes de entrar em combustão total, os sólidos se transformam em gás.
“Segundo a Organização Mundial de Saúde, cerca de um milhão e seiscentas mil pessoas morrem anualmente por complicações respiratórias provenientes de fumaça, no interior de residências, principalmente mulheres e crianças. De acordo com a Dra. Barbara Knudson, 10% de toda a madeira extraída no mundo é para uso doméstico. É um volume considerável que pode ser cortado pela metade, com o uso de tecnologia”, defende o jornalista Álvaro Sad, no blog Ideias Verdes.
Fonte: Blog Ideias Verdes, escrito pelo jornalista Álvaro Sad.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Desflorestamento...lei quer permitir!!!??????

É época de Copa, as atenções de todo o mundo estão voltadas para a África do Sul. Mas, a mobilização para impedir mudanças no Código Florestal continua. Aqui no Brasil, da-lhe vuvuzela no ouvido dos políticos.
Assine a nova petição para proteger as florestas brasileiras.

No dia 28 de junho, Comissão Especial da Câmara criada para botar abaixo o Código Florestal votaram no projeto. É a nova oportunidade que temos de dizer não. Agora, a bola está nos pés do deputado Michel Temer (PMDB-SP). presidente da Câmara dos Deputados, ele pode brecar a investida da bancada ruralista contra nossas florestas. Como candidato à vice-Presidência do país, é a hora de exigirmos de Temer seu posicionamento sobre uma lei que vai determinar se o verde de nossa bandeira continuará a existir.

Não é exagero. Caso a proposta da bancada ruralista seja aprovada, pelo menos 85 milhões de hectares de floresta que hoje estão protegidos por lei vão ficar vulneráveis às motosserras. Num cálculo conservador, essa brecha faz com que 31,5 bilhões de toneladas de CO₂ saiam das matas brasileiras direto para a atmosfera. São sete vezes mais do que a meta de redução com que o governo brasileiro se comprometeu mundialmente até 2020.

Além de legitimar mais desmatamento para o futuro, o relatório ainda anistia quem devastou ilegalmente no passado. E passa para os estados o poder de decidir como bem entender as áreas que devem ou não ser preservadas. Inúmeros pesquisadores foram à imprensa dizer que a nova proposta é a sentença de morte para nossas florestas. E como consequência, também dos rios e do equilíbrio climático mundial.

Por isso, como brasileiros, é nosso dever defender que o Código Florestal permaneça intocado. O ano eleitoral já começou. Exija que o tema saia das quatro paredes, onde deputados em fim de mandato tentam decidir sozinhos o futuro do país. Peça a Michel Temer que pare a proposta dos ruralistas e que torne o Código Florestal um assunto a ser amplamente debatido durante as eleições. Não só entre políticos, mas, principalmente, pela população. Vuvuzela neles!